For full functionality of Casamozambique site it is necessary to enable JavaScript. Here are the instructions how to enable JavaScript in your web browser.

Financiamento adicional de 2.5 mil milhões de dólares para o Corredor de Nacala

Postado por: Admin Financiamento adicional de 2.5 mil milhões de dólares para o Corredor de Nacala

Sep 27, 2017

Moçambique e o Malawi assinaram, na última sexta-feira, em Maputo, a adenda de um acordo que prevê um financiament adicional de 2,5mil milhões de dólares para o desenvolvimento do Corredor de Desenvolvimento de Nacala (CDN), de modo a maximizar e optimizar a utilização desta infraestrutura.

Os projectos anunciados por Moçambique e Malawi, na presença de responsáveis da Vale e da Mitsui, vão complementa os empreendimentos que possibilitaram a viabilização da ferrovia de 912 quilómetros, incluindo 200 que atravessam o território do Malawi, e um terminal portuário de águas profundas que escoa o carvão que a mineira brasileira produz no distrito de Moatize, província de Tete.

Segundo o Ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Oldemiro Baloi, “Trata-se da adequação do Acordo entre o Governo da República de Moçambique e  Governo da República do Malawi sobre o Corredor de Desenvolvimento de Nacala, celebrado a 28 de Setembro de 2000, para fazer face aos actuais desafios nos sectores dos transportes e da logística que emergem em virtude do crescimento que as economias dos dois países têm registado nos últimos tempos”.

O CDN for inaugurado em Maio passado, resultado de um investimento de 4,5 mil milhões de dólares feito pelo grupo Vale. É uma sociedade anônima constituída e registada em Moçambique, cujo objectivo é a gestão, reabilitação e exploração comercial de forma integrada das infra-estruturas do Porto de Nacala e da rede ferroviária do norte de Moçambique. 

Integra-se no Projecto Corredor Nacala, que engloba a região norte de Moçambique, o Malawi e a Zâmbia. Interliga o Porto de Nacala com o sistema ferroviário do norte que permite a ligação ao Malawi, criando um serviço eficiente e de custo efectivo, de forma a integrar sinergias entre os sistemas inter-modais de transporte